Diga sim para o Refúgio

Inscreva-se e baixe o material que mostra como você pode preservar a tecnologia Bt.

Aqui você encontra as informações técnicas que precisa para entender o papel do Bt e do refúgio na sua lavoura. Baixe agora!

RECOMENDAÇÃO DOS MAIORES ESPECIALISTAS DA ÁREA

Prof Dr Celso Omoto
ESALQ/USP

A plantio de áreas de refúgio (plantas que não expressam proteínas Bt) é de fundamental importância na produção de insetos suscetíveis para acasalar com insetos resistentes provenientes de áreas de plantas Bt. O tamanho da área de refúgio e a distância desta com relação a qualquer planta Bt devem ser obedecidos para garantir a produção de insetos suscetíveis em quantidade suficiente e para maximizar o encontro com os insetos resistentes para o acasalamento.

aspas

Pesq Dra Lúcia Vivan
Fundação MT

É necessário conscientizar sobre a adoção do refúgio para manter os benefícios das tecnologias Bt.

aspas

Prof Dr Paulo E. Degrande
UFGD

Para o cumprimento das Boas Práticas Agrícolas nunca será tarde adotar o refúgio, visando preservar as eficácias das tecnologias de controle de insetos que temos hoje e que não poderemos abrir mão no futuro.

aspas

REFÚGIO SIM

COMPARTILHE ESSES CARDS NAS REDES

 CARD 1
CARD 2
CARD 3
CARD 4

PERGUNTAS FREQUENTES

1. Qual a finalidade da prática do refúgio? Como funciona?

O refúgio consiste no cultivo de uma área com plantas não-Bt próxima à cultura com resistência a insetos. Essa área tem a função de produzir insetos suscetíveis às proteínas inseticidas Bt. Esses indivíduos suscetíveis irão se acasalar com os insetos resistentes, gerando indivíduos heterozigotos que também serão suscetíveis à tecnologia, assegurando a sua longevidade.

A evolução da resistência de pragas é o maior desafio para o uso de culturas que expressam proteínas Bt. Dessa maneira, para um uso sustentável destas tecnologias no campo, a implementação de um programa efetivo de Manejo da Resistência de Insetos (MRI) é essencial. O plantio de refúgio é a principal ferramenta dos programas de MRI e tem sido eficaz em retardar o aparecimento de resistência em pragas nos países com maior histórico de uso destas tecnologias.

2. Como manejar o refúgio?

As áreas de refúgio podem ser manejadas como o restante da lavoura, com o uso de pulverizações de inseticidas ou a adoção de outros métodos de controle sempre que as populações das pragas atingirem o nível de dano econômico.

Esse nível é estabelecido a partir do monitoramento das pragas, umas das práticas do MIP. Entretanto, recomenda-se o mínimo de pulverizações de inseticidas e a não utilização de produtos formulados à base de Bt. Quanto maior a aplicação de inseticidas, menor será a efetividade do refúgio como ferramenta de sustentabilidade da tecnologia Bt.

O produtor que realizar o monitoramento de pragas e quando necessário utilizar inseticida visando reduzir a população de insetos abaixo dos níveis de dano econômico irá proteger a produtividade nas áreas de refúgio.

3. Como a NÃO adoção do refúgio impacta sobre a produtividade/ retorno financeiro do produtor?

A utilização de uma cultura Bt sem a adoção de táticas que visem retardar a evolução da resistência pode até trazer benefícios no curto prazo, mas tende a gerar indivíduos resistentes no médio/longo prazo. Inicialmente, já que a grande maioria dos indivíduos da população de insetos será suscetível à tecnologia, haverá controle efetivo. Entretanto, a pressão de seleção ocasionada pelo uso contínuo da tecnologia faz com que os insetos que são naturalmente resistentes sobrevivam e se tornem maioria na população após algumas gerações, levando à perda de eficácia da tecnologia. Assim, a médio/longo prazo, o agricultor não poderá mais lançar mão de uma tecnologia que tanto tem beneficiado a agricultura brasileira.

4. Quem deve adotar o refúgio?

Todo produtor que utilizar a tecnologia Bt deve adotar áreas de refúgio, visto que a manutenção da eficácia das tecnologias em cada região será consequência do manejo de cada propriedade. É importante lembrar que o refúgio deve ser feito em todas as propriedades. Mesmo que a propriedade vizinha também plante Bt, o refúgio é uma área individual para cada lavoura.

Além disso, as espécies de insetos pragas-alvo das tecnologias Bt geralmente possuem alta mobilidade e sua estruturação genética não ocorre nas dimensões das propriedades. Dessa maneira, um plano efetivo de MRI deve ser implementado em âmbito regional.

5. Há diferença de implantação de um estado para outro?

As recomendações feitas para cada tecnologia levam em consideração a porcentagem mínima de refúgio necessária para a preservação da tecnologia em todo o território nacional. Algumas regiões específicas, dadas suas particularidades de sistema de produção, podem adotar estratégias ainda mais conservadoras. Também é importante levar em conta o calendário de plantio de cada região.

NOSSO CONTEÚDO