Conservação do solo é essencial para melhorar a produção agrícola

A conservação do solo é um conjunto de princípios e técnicas agrícolas que visa o manejo correto das terras cultiváveis, evitando a erosão em todas suas formas. Seu objetivo é aproveitar ao máximo a terra por unidade de área plantada. Assim, evita-se a degradação física, química e biológica do solo.

Solo é a massa natural que compõe a superfície da Terra que suporta ou é capaz de suportar plantas. Essa massa contém matéria viva e é resultante da ação do clima e da biosfera sobre a rocha, que é seu material de origem. A transformação da rocha em solo se realiza durante um certo tempo e é influenciada pelo tipo de relevo.

 
Uma propriedade rural tem diferentes tipos de solo e relevo. Distribuir os cultivos de forma correta garante ao agricultor um planejamento de conservação ideal para a manutenção e o bom uso do solo.


SAIBA MAIS

O que são as Boas Práticas Agronômicas


 

Conservação do solo para evitar erosão

A conservação do solo visa, principalmente, evitar a erosão. Erosão é o processo de desprendimento e arraste acelerado das partículas constituintes do solo. Esse processo é causado pela água e pelo vento, sendo um dos fatores de empobrecimento dos solos.

A erosão ocorre ao longo de milhares de anos e molda as paisagens. Entretanto, a intensidade e a taxa dessa erosão são aceleradas pela atividade humana. O uso e o manejo incorretos da terra expõem o solo ao sol, ao vento e à chuva.

Além desses fatores, o clima tropical e subtropical brasileiro, com chuvas frequentes, causa a erosão hídrica, principal fonte de degradação dos solos. Segundo relatório de 2015 da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), a degradação é um problema grave que atinge 33% das terras no mundo todo.

A depender da intensidade do processo erosivo, além da degradação do solo, podem ocorrer também outros problemas que levam à baixa produtividade. Portanto, todos os desafios de produção agrícolas podem estar associados, tendo como as principais causas aquelas vinculadas ao uso, manejo e à conservação do solo e suas consequências no processo erosivo.

A ocorrência de erosão pode provocar poluição e assoreamento dos mananciais. Além disso a erosão pode causar prejuízos diretos na produção, devido ao desgaste do solo e ao arraste dos insumos agrícolas.

O uso e manejo inadequados do solo reduzem também a cobertura vegetal e a infiltração da água no solo, fazendo com que ocorra escorrimento superficial e causando a erosão.


SAIBA MAIS

Refúgio Agrícola


 

Estratégias de conservação do solo

Não existe uma forma única de conservação do solo, pois cada um tem suas próprias características. Portanto, deve-se conhecer as particularidades da área a ser conservada, da vegetação presente, assim como algumas características da região para saber qual a melhor técnica a aplicar.

Dentre as principais estratégias utilizadas para conservação do solo, podemos considerar as práticas conservacionistas e as vegetativas.

  • Práticas conservacionistas: aquelas que, com modificações no sistema de cultivo, além de controlar a erosão, contribuem para manter ou até mesmo aumentar a fertilidade do solo.
  • Práticas vegetativas: são aquelas que utilizam a vegetação para a proteção do solo contra os efeitos da erosão.

Dentre essas estratégias, podemos citar:

Plantio Direto

Foto de soja plantada em sistema de plantio direto

Soja em sistema de Plantio Direto. KURTZ, Paulo, Embrapa 2013

No plantio direto ocorre o mínimo revolvimento do solo. Ocorre também a manutenção de uma cobertura de palhada que ajuda a reduzir impactos das gotas de chuva.

Sistema de Integração Lavoura Pecuária e Floresta (ILPF)

São sistemas de cultivos que integram a produção de grãos, fibras, madeiras, carnes, leite ou agroenergia em uma mesma área. Além de conservar o solo, esse sistema promove a diversificação de atividades e o bem-estar animal.

Adubação química e orgânica

O uso de adubos químicos e orgânicos aumenta a fertilidade do solo proporcionando melhorias nas suas propriedades químicas, físicas e biológicas.

Rotação de culturas

A Rotação de culturas consiste em alternar, em um mesmo terreno, diferentes culturas numa sequência, de acordo com um plano definido.

Adubação verde

Essa prática é entendida como incorporação ao solo de plantas especificamente cultivadas para esse fim ou outras cortadas ainda verdes para serem enterradas.

Culturas em faixas

É dispor as culturas em faixas de largura variável, para que se alterne, a cada ano, as plantas que oferecem pouca proteção ao solo com outras de crescimento denso.

Além das práticas citadas, é válido observar que muitas outras podem ser consideradas conservacionistas, a exemplo de:

  • alternância de capinas;
  • cobertura morta;
  • reflorestamento;
  • irrigação;
  • controle de queimadas;
  • recomposição de mata ciliar;
  • drenagem de várzeas;
  • construção de açudes e abastecedouros comunitários;
  • manejo e reforma de pastagens;
  • planejamento da estrutura da propriedade.

Fontes: Manual Técnico de Boas Práticas de Conservação do Solo e Água, Status of the World’s Soil Resources: Main Report