Tratamento de sementes tem custo baixo e garante rendimento da lavoura

O tratamento de sementes consiste na aplicação de defensivos químicos e/ou biológicos às sementes. O objetivo é suprimir, controlar ou afastar fungos, insetos ou outras pragas que atacam sementes, mudas e plantas.

É uma das Boas Práticas Agronômicas que deve ser adotada como um meio de prevenção desses ataques nas fases iniciais da lavoura. A técnica potencializa a genética da semente, contribuindo para a preservação da biotecnologia no campo.

José Otávio Menten, engenheiro agrônomo doutor em fitopatologia. "O tratamento de sementes é um trabalho preventivo que pode evitar a ação de pragas e doenças e proporcionar melhor estabelecimento do estande da lavoura."
José Otávio Menten, engenheiro agrônomo doutor em fitopatologia.

Aliado a outras práticas, o tratamento de sementes pode garantir as safras recordes que o Brasil vem produzindo ano após ano. Com pouca necessidade de investimento, essa prática traz grandes benefícios durante o desenvolvimento inicial da lavoura.

Importância do tratamento de sementes

O tratamento de sementes previne a entrada de pragas em áreas de cultivo e tem grande importância no desenvolvimento de plantas vigorosas e sadias. Essa prática protege a semente desde o contato inicial com o solo até o início do crescimento das plantas. Ou seja, a proteção ocorre antes, durante e depois da germinação.

Sendo assim, sementes que poderiam ser ameaçadas por doenças, pragas ou até interferências climáticas, conseguem crescer mais fortes, com germinação mais uniforme e com melhor enraizamento. Tudo isso é revertido em produtividade.

Juliana Ramiro, engenheira agrônoma e doutora em fitopatologia. "Com o tratamento, a semente atinge seu máximo potencial produtivo e promove maior rendimento da lavoura."
Juliana Ramiro, engenheira agrônoma e doutora em fitopatologia.

Considerando o Manejo de Resistência de Insetos (MRI), o tratamento de sementes auxilia no estabelecimento de plantas nas áreas de refúgio. Além disso, serve como diferente modo de ação para controle de pragas em áreas com cultura Bt na fase inicial de desenvolvimento da lavoura.


SAIBA MAIS
Milho Bt: conheça tudo sobre essa tecnologia indispensável para a lavoura
Soja Bt: Como essa tecnologia protege a lavoura


Todo cuidado é pouco quando se deseja garantir a segurança das plantas contra pragas e doenças. Sem o tratamento adequado, as sementes podem disseminar pragas e doenças que afetam a lavoura, comprometendo a produção. Isso representa prejuízos no campo e, por consequência, na rentabilidade como um todo.

Juliana Ramiro, engenheira agrônoma e doutora em fitopatologia. "Abrir mão do tratamento é um risco que não vale a pena correr, pois se trata de um procedimento barato quando comparado às perdas que a falta dele pode acarretar."
Juliana Ramiro, engenheira agrônoma e doutora em fitopatologia.

Além da proteção contra pragas e doenças, o tratamento de sementes com o produto adequado tem efeito na fisiologia da planta. Por exemplo, melhor enraizamento, arranque inicial mais rápido e germinação mais uniforme.

Como é feito o tratamento de sementes

Tratamento de sementes

CIMMYT, Foter.com / CC BY-NC-SA

Basicamente, o tratamento de sementes é feito com fungicidas e inseticidas. Mas, além desses, outros produtos podem ser utilizados, como

  • Micronutrientes
  • Inoculantes
  • Agentes de proteção a herbicidas
  • Reguladores de crescimento
  • Revestimentos de sementes
  • Corantes
  • Outros

O tratamento das sementes pode ser feito de duas formas:na fazenda (on farm) ou na indústria (Tratamento de Industrial de Sementes -TIS). Em ambos os casos recomenda-se seguir as Boas Práticas de Tratamento de Sementes.

On Farm

Caso realize o tratamento de sementes na fazenda, o produtor deve estar atento aos seguintes pontos:

  • Certificar-se de que o produto utilizado no procedimento seja registrado para as sementes da cultura que se pretende fazer o tratamento: um produto não registrado pode até prejudicar a semente;
  • Observar as características dos produtos a serem utilizados: dar preferência aos que possuem baixo volume de calda e boa adesão à semente;
  • Dar preferência aos produtos que combinem, em uma só fórmula, fungicidas e inseticidas;
  • Escolher corretamente o produto químico de acordo com o objetivo do tratamento: produtos de amplo espectro de ação fazem controle de maior número de pragas;
  • Seguir as instruções da bula do produto e das Fichas de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ), elaboradas de acordo com a Norma Técnica 14.725 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT);
  • Certificar-se de que o equipamento de aplicação esteja calibrado;
  • Utilizar Equipamento de Proteção Individual (EPI) específico;
  • Estar em um lugar seguro em relação ao meio ambiente, pessoas e animais.

O que é uma FISPQ?

As Fichas de Informações de Segurança de Produtos Químicos dão todas as informações sobre um produto químico. As FISPQ servem como base de rótulos, não podendo substituí-los. Veja abaixo algumas delas.

  • Nome do produto e da empresa;
  • Perigos existentes;
  • Composição e informações sobre os ingredientes;
  • Medidas de primeiros-socorros;
  • Medidas de combate a incêndio;
  • Medidas de controle para derramamento ou vazamento;
  • Manuseio e armazenamento;
  • Controle de exposição e proteção individual;
  • Propriedades físicas e químicas;
  • Estabilidade e reatividade;
  • Informações toxicológicas.

Tratamento Industrial de Sementes (TIS)

O tratamento industrial de sementes (TIS) faz parte das etapas do beneficiamento das sementes em diversas empresas. É um processo que consiste em aplicações automatizadas por meio de equipamentos de alta tecnologia.

Esse tratamento tem algumas vantagens em relação ao tratamento convencional (on farm):

  • O volume de calda (dosagem) de defensivo utilizado para o tratamento das sementes é mais preciso;
  • A semente recebe melhor cobertura com o produto;
  • Há menos risco de intoxicação dos operadores, portanto, mais seguro;
  • Apresenta maior eficiência e maior rendimento por hora (há no mercado máquinas capazes de tratar até 30 toneladas de sementes por hora);
  • Maior praticidade, uma vez que as sementes compradas já estão prontas para uso.A maior parte das empresas que vendem sementes realiza o tratamento no pré-ensaque ou no momento da entrega das sementes ao produtor.

De acordo com dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), no Brasil, apenas 40% do tratamento de sementes é realizado industrialmente. Mas segundo especialistas, esse número tende a aumentar, principalmente pela praticidade e segurança ao produtor.

A semente tratada é usada somente para o plantio, não podendo ser empregada na alimentação humana ou animal.

Benefícios do tratamento de sementes

Os benefícios do tratamento de sementes atingem a produção como um todo – do plantio à colheita. Dentre esses:

  • Controla amplamente as pragas;
  • Protege o potencial genético da variedade que o produtor escolheu para plantar, incluindo as que possuem tecnologia Bt;
  • Ajuda no estabelecimento de plantas não Bt nas áreas de refúgio agrícola;
  • Proporciona o estabelecimento do estande da lavoura (número adequado de plantas para determinada área);
  • Influencia positivamente na fisiologia da planta (melhor enraizamento, germinação mais uniforme e maior resistência a nematóides);
  • Apresenta baixo custo de investimento;
  • Ajuda a obter maior produtividade.

VEJA TAMBÉM
Refúgio agrícola: tudo o que você precisa saber para garantir a segurança da sua lavoura

Defensivos agrícolas: fundamentais para agricultura sustentável


Principais pragas e doenças que são controladas com o tratamento de sementes

O tratamento de sementes pode impedir disseminação de fungos causadores de doenças para novas áreas de cultivo. Além disso, evitam danos diretos causados por fungos, insetos e nematóides em sementes, raízes e plântulas durante a fase inicial das culturas. As principais pragas e doenças de soja, milho e algodão que são controladas com essa prática podem ser:

Pragas

  • Lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignosellus)
  • Lagarta-do-cartucho (Spodoperta frugiperda)
  • Lagarta-da-soja (Anticarsia gemmatalis)
  • Helicoverpa (Helicoverpa spp)

As lagartas se alimentam do colo da planta, logo após a germinação. Existe também a praga conhecida popularmente como Coró, que são larvas de besouro que ficam embaixo do solo e vão se alimentar das raízes das plantas recém estabelecidas.

Além disso, com o tratamento de semente, a planta pode ficar mais resistente ao ataque de nematóides, uma das principais pragas da soja, por exemplo. Ou seja, a planta consegue se desenvolver sem a necessidade de se utilizar um produto específico para o controle de nematoides.

Doenças

São praticamente três grupos de doenças fúngicas relacionadas às sementes.

  1. Transmitidas via sementes.
    A semente já vem doente do campo de produção de sementes e vai transmitir a doença para o campo de produção de grãos. Na soja, no milho e no algodão, por exemplo, os principais fungos causadores de doenças que transmitidos via sementes são Cercospora spp., Fusarium spp. e Colletotrichum spp.
  2. Doenças de grãos armazenados.
    Nesse caso, a semente pode vir sadia do campo de produção de semente, mas durante o armazenamento podem ser afetadas por fungos que vão dar prejuízo em termos de germinação e vigor dessas sementes. Dentro desse grupo, os principais são o Penicillium spp. e Aspergillus spp.
  3. Causadas por fungos que já estão presentes no solo.
    Por exemplo, Rhizoctonia spp. e Pythium spp. Essas podem causar dano quando a planta ainda está na fase de muda e pode causar tombamento e perda de população ou estande e, consequentemente, produtividade.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR

Sem as sementes resistentes a insetos, produtores brasileiros podem perder R$ 86 bilhões em 10 anos
Sementes certificadas e tratadas são chave para adoção das boas práticas no campo


Fonte: ABRASEM, APPS, EMBRAPA, ISF, MAPA, SAA. Redação BOAS, janeiro de 2019.