Manejo Integrado de Pragas: essencial para a sustentabilidade da produção

O Manejo Integrado de Pragas (MIP) tem sido bastante eficaz no combate à ameaças fitossanitárias e na promoção da sustentabilidade da produção agrícola. No Brasil, essas ameaças estão cada vez mais presentes nas lavouras. No entanto, combatê-las e impedir que causem grandes prejuízos é possível.

Na natureza, um meio ambiente sadio e equilibrado oferece resistência ao surgimento e à proliferação de organismos que causem desequilíbrio populacional das espécies e, consequentemente, danos às culturas.

Ao utilizar corretamente as estratégias de manejo é possível manter o equilíbrio do ambiente, preservando os inimigos naturais das pragas e impedindo prejuízos econômicos. Para isso é preciso introduzir uma nova rotina na lida diária da produção agrícola: o Manejo Integrado de Pragas.

Quando bem empregado, o procedimento diminui consideravelmente o uso de defensivos químicos, contribuindo para uma produção agrícola cada vez mais sustentável.

O que é Manejo Integrado de Pragas (MIP)

O MIP é um conjunto de medidas que visa manter as pragas abaixo do nível de dano econômico (NDE). Essas medidas são aplicadas quando a densidade populacional da praga atinge o nível de controle (NC).

Quando a população de insetos prejudiciais se mantém abaixo do NC, ela está em nível de equilíbrio (NE). Esse conceito foi instituído na década de 1960 pela comunidade científica para a otimização do controle de pragas agrícolas (ácaros, insetos, doenças e plantas daninhas).

Não se perca nos termos técnicos!

Dano Econômico: é a quantidade mínima de injúria que justifica a aplicação de determinada tática de manejo.

Nível de Dano Econômico: é a menor densidade populacional da praga que causa dano econômico.

Nível de Controle: é a menor densidade populacional da praga na qual táticas de manejo necessitam ser tomadas para impedir que o NDE seja alcançado.

Nível de Equilíbrio: é a densidade populacional média de uma população de inseto por um longo período de tempo, não afetadas por temporárias intervenções no controle da praga.

Gráfico MIP densidade populacional x tempo

O termo Manejo Integrado de Pragas refere-se à integração de diferentes ferramentas de controle. São elas:

  • Produtos químicos
  • Agentes biológicos (predadores, parasitoides e entomopatógenos – bactérias, fungos ou vírus)
  • Variedades de plantas resistentes a pragas
  • Manejo cultural
  • Feromônios
  • Plantas iscas
  • Outras.

Portanto, o MIP envolve o emprego conjunto de todas essas ferramentas, de maneira planejada e harmoniosa.

Predadores: organismos que matam suas presas;

Parasitoides: organismos que se desenvolvem no interior dos hospedeiros;

Entomopatógenos: organismos causadores de doenças em seus hospedeiros.

Francisco Henrique, engenheiro agrônomo e doutor em agricultura tropical e subtropical. "É bom lembrar que o objetivo do manejo integrado não é de eliminar as pragas, mas reduzir a sua população para abaixo do nível de controle."
Francisco Henrique, engenheiro agrônomo e doutor em agricultura tropical e subtropical.

SAIBA MAIS

MIP x MRI: entenda o significado dessas siglas

MIP incorreto pode causar a perda de tecnologias no campo, alerta Embrapa


Importância do manejo integrado de pragas

O manejo integrado de pragas é importante porque:

  • Controla pragas da lavoura;
  • Mantém a biodiversidade do agroecossistema;
  • Preserva inimigos naturais;
  • Otimiza a utilização de inseticidas químicos;
  • Diminui o impacto ambiental;
  • Preserva a biotecnologia no campo;
  • Reduz perdas da lavoura;
  • Aumenta a produtividade.

VEJA TAMBÉM

Como realizar o controle de pragas da cana-de-açúcar?

Conheça as principais pragas controladas pela tecnologia Bt em soja, milho e algodão


Estrutura do Manejo Integrado de Pragas

Podemos pensar no MIP como sendo a construção de uma casa. O alicerce (decisões de manejo) é formado pelas condições do ambiente observado (agroecossistema), do nível de controle das pragas, do monitoramento (amostragem) e de informações taxonômicas da praga (espécie), sua biologia e ecologia.

Já os pilares do MIP são os tipos de controle que podemos utilizar, são eles: controle cultural, controle biológico, controle comportamental, controle genético, controle varietal e controle químico.

MIP: alicerce e pilares

Alicerce do manejo integrado de pragas

Quando a presença da praga atingir níveis críticos (nível de controle), é necessário decidir qual o melhor caminho para controlá-la. Ou seja, quais as táticas do manejo integrado de pragas terão que ser aplicadas na lavoura. Para identificarmos a situação da praga na lavoura devemos realizadas as seguintes atividades que compõem o alicerce do MIP:

Observação das condições do ambiente (Agroecossistema)

A avaliação das condições ambientais ou agroecossistema nada mais é do que conhecer a lavoura. Para isso, deve-se determinar o estágio de desenvolvimento da cultura, as condições nutricionais da planta, os fatores climáticos, as principais pragas que potencialmente podem ser prejudiciais e a presença de inimigos naturais.

Juliana Ramiro, engenheira agrônoma e doutora em fitopatologia. "O conhecimento da lavoura e das pragas permite identificar o momento em que uma praga pode causar mais prejuízos, dessa forma auxiliar na tomada de decisão de táticas de controle."
Juliana Ramiro, engenheira agrônoma e doutora em fitopatologia.

Determinação do nível de controle

Conhecer o nível de controle, ou seja, o nível abaixo daquele que a praga causa dano irá determinar a melhor tática de manejo e o tempo mais adequado para aplicação dessa tática.

Monitoramento (amostragem)

O monitoramento deve ser realizado periodicamente, desde a instalação da cultura em campo até a colheita, inspecionando-se diferentes estruturas da planta cultivada (raízes, folhas, hastes, frutos etc.).

Quando falamos de monitoramento, queremos dizer amostragens frequentes das populações de insetos para sabermos se é chegado o momento em que essa população está causando prejuízo ou não. Quando já atingiu-se esse ponto, o inseto passa a ser considerado praga. Havendo assim a necessidade de se fazer controle e para isso existem vários métodos.

Informações taxonômicas

A correta identificação das espécies é fundamental para avaliar a melhor estratégia para o controle efetivo da praga-alvo. Para isso, é necessário observar a ocorrência dela nas fases de ovos, lagartas e mariposas. Ademais, precisamos também monitorar as alterações nas plantas. Resumindo, devemos obter todas as informações que nos ajudam a entender qual é a praga que está na lavoura.

MIP e MRI

É fundamental também determinar quais são os inimigos naturais das pragas. Assim, recomenda-se que todos os profissionais envolvidos com a tomada de decisão para o controle de pragas sejam treinados, pois há grande variedade de espécies que podem causar prejuízos ao campo de produção.

Técnicas (Pilares) do manejo integrado de pragas

Ao conhecermos a situação da praga na lavoura, podemos determinar as táticas de manejo que serão utilizadas. Essas táticas correspondem aos pilares do manejo integrado de pragas que são:

Controle cultural

Esse controle deve ser uma ação preventiva e permanente na lavoura. Independentemente da presença ou não de pragas. Consiste em reduzir a disponibilidade de alimentos para a praga, evitando assim sua explosão populacional na entressafra.

Dentre os métodos de controle cultural temos:

  • Rotação de culturas
  • Escolha da época de plantio e colheita
  • Destruição de restos de cultura anterior
  • Cultura no limpo
  • Poda
  • Controle da adubação e irrigação
  • Plantio direto e outros sistemas de cultivo.

Controle biológico

O controle biológico consiste em ações para preservar os inimigos naturais para controle das pragas, efetuar liberação de predadores e/ou parasitoides ou utilizar inseticidas formulados com Bt ou baculovírus.

Uma das formas de conservar os inimigos naturais é a utilização de inseticidas químicos seletivos, que matam as pragas, porém têm pouco efeitos sobre os inimigos naturais. Outra forma é a liberação ou pulverização desses inimigos naturais no campo.

Controle comportamental

Consiste na exploração de sinais químicos entre os seres vivos. Dentre esses, temos os feromônios, plantas repelentes, armadilhas e semioquímicos. Os feromônios podem ser utilizados em conjunto com armadilhas para atrair machos e realizar a coleta massal de insetos e podem também impedir encontro entre machos e fêmeas, interrompendo, o acasalamento.

Armadilhas consistem na captura massal de insetos para controle populacional. Podem ser luminosas, que atraem os insetos que possuem atividade noturna e são atraídos pela luz (besouros, mariposas, percevejos, cigarrinhas, moscas e etc). Existem também as adesivas, cartões amarelos compostos por resinas e cera e prendem os insetos assim que ocorre o contato.

Controle genético

Esse método refere-se ao controle da população de praga mediante a manipulação de seu genoma. Essa tática é seletiva e objetiva a redução da população de pragas por meio da redução do potencial reprodutivo delas.

É o caso, por exemplo, do mosquito da dengue geneticamente modificado (GM) para que os machos sejam estéreis e, uma vez liberados no ambiente, concorram com os machos não transgênicos pelas fêmeas. O controle genético, entretanto, ainda não é amplamente utilizado.


VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR

Embrapa Soja e Emater conduzem projeto de MIP e MID em 75 cidades do Paraná

Fundação MT desenvolve projeto de boas práticas e MIP em duas fazendas do Estado


Controle varietal

Consiste no uso de variedades transgênicas que expressam proteínas inseticidas (Bt) para o manejo eficiente da praga. A tecnologia Bt representa uma importante ferramenta para o manejo integrado de pragas nas culturas de soja, milho, algodão e cana. Entretanto, para que sua eficácia seja alcançada, alguns pontos precisam ser levados em consideração.

O primeiro deles diz respeito à escolha de híbridos e cultivares que sejam adaptados e recomendados para cada região. Um segundo ponto diz respeito à aplicação de boas práticas agronômicas para manejo das culturas Bt. Dessa forma, o risco de que insetos resistentes à essa tecnologia sejam selecionados é reduzido.

Controle químico

Consiste na utilização de inseticidas seletivos que atingem somente as pragas, mantendo vivos os inimigos naturais delas e polinizadores. No entanto, para evitar o desenvolvimento de insetos resistentes a esses produtos, deve-se também prestar atenção na rotação de ingredientes ativos e de modos de ação desses produtos.

É fundamental utilizar apenas produtos registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e dispor de boa tecnologia de aplicação.

O conjunto de técnicas do MIP favorece a volta do equilíbrio natural do meio ambiente que, por sua vez, aumenta a resistência biótica e evita que novas pragas se estabeleçam.