Afinal, para que serve o refúgio?

Ao utilizar uma área de refúgio o produtor consegue prevenir ou retardar o estabelecimento de populações de pragas resistentes. A variabilidade genética existente em todas as espécies possibilita que populações de insetos-praga que estejam sob pressão respondam a um determinado fator de seleção, independentemente de esse fator ser uma cultura Bt. A utilização de uma cultura Bt sem a adoção de táticas que visem retardar a evolução da resistência pode até trazer benefícios no curto prazo, mas tende a gerar indivíduos resistentes no médio/longo prazo. Inicialmente, já que a grande maioria da população de insetos será suscetível à tecnologia, haverá controle efetivo. Entretanto, a pressão de seleção ocasionada pelo uso contínuo da tecnologia faz com que os indivíduos que são naturalmente resistentes sobrevivam e se tornem maioria na população após algumas gerações, levando à perda de eficácia da tecnologia. Deste modo, o uso de culturas Bt deve estar sempre associado ao plantio de áreas de refúgio que, em conjunto com outras práticas, atuam preventivamente retardando o processo de evolução da resistência em populações de insetos-praga.