Algodão Bt: a tecnologia que controla pragas e beneficia o produtor

 

O algodão Bt foi o primeiro algodão transgênico aprovado no Brasil, em 2005, pela Comissão Tècnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). Por meio da biotecnologia, essas plantas de algodão tiveram sua composição genética modificada, passando a ser resistentes ao ataque de diferentes espécies de insetos-praga.

Assim, o agricultor pode garantir a produtividade da sua lavoura, além de outros benefícios. Neste texto vamos apresentar o algodão Bt, comentar sobre as as principais pragas controladas por ele e compartilhar recomendações técnicas sobre o manejo da planta transgênica.

 

Algodão Bt

O algodão Bt é o algodão que recebeu genes da bactéria de solo Bacillus thuringiensis, daí a denominação Bt. Essa bactéria produz proteínas tóxicas a determinados tipos de insetos, principalmente da ordem Lepidoptera. A partir da introdução de um gene da bactéria na planta, ela passa a expressar a proteína inseticida.

As proteínas inseticidas produzidas pela bactéria Bt já passaram por inúmeros testes e apresentam um histórico de uso seguro de mais de 40 anos, iniciado com a utilização de esporos de Bt em formulações microbianas para o controle de pragas. As proteínas produzidas pela bactéria Bt não possuem qualquer efeito nocivo sobre outros organismos e sobre o homem.

A utilização da tecnologia Bt na cotonicultura controla pragas como o curuquerê do algodoeiro (Alabama argillacea), lagartas-das-maçãs (Heliothis virescens e Helicoverpa zea),  lagarta rosada (Pectinophora gossypiella) e lagarta-do-cartucho (Spodoptera frugiperda).

 

Alabama argillacea

Alabama argillacea – Eddie McGriff, University of Georgia, Bugwood.org

 

Pragas controladas pelo algodão Bt

O algodão Bt é uma cultura que pode sofrer infestação por diversas pragas.. Os principais grupos de insetos que atacam a lavoura de algodão são:

  • Lagarta-do-cartucho ou militar (Spodoptera frugiperda): principal praga que ataca o algodoeiro desde o início até a maturação. Agride tanto plantas jovens quanto as folhas ou maçãs.
  • Lagartas desfolhadoras: grupo que inclui o curuquerê-do-algodoeiro (Alabama argillacea) – que predomina no terço superior das plantas – e a falsa-medideira (Chrysodeixis includens) – que predomina no terço inferior. O algodão Bt é altamente resistente a esse grupo, o que ajuda a reduzir significativamente os danos na plantação.
  • Lagartas-das-maçãs: fazem parte do grupo a lagarta-rosada (Pectinophora gossypiella) e insetos dos gêneros Helicoverpa e Heliothis. As pragas atacam os botões florais do algodão e as maçãs em desenvolvimento, reduzindo a qualidade das fibras obtidas.

 


SAIBA MAIS

O que são as Boas Práticas Agronômicas?


 

Adoção do algodão Bt

A chegada da tecnologia Bt no algodão beneficiou os agricultores, apresentando vantagens sobre o método convencional de controle. A tecnologia aplicada garante que a ação contra as pragas esteja permanentemente na planta. Isso impede a perda parcial da lavoura, já que os agricultores aplicam inseticidas químicos somente depois de detectar a presença de pragas.

Além disso, a eficiência dos inseticidas químicos, ao contrário do Bt, dependem também das condições meteorológicas, já que a chuva pode impedir a ação dos produtos aplicados sobre as plantas.

Há relatos de redução de até oito  aplicações de inseticidas em um ciclo da cultura  devido a adoção dessa tecnologia. O custo de produção e o tempo gasto em aplicações também diminuíram. Além disso, a tecnologia Bt garantiu menos risco de intoxicação do trabalhador devido à exposição ao produto químico.

Manejo do algodão Bt

A planta resistente a insetos sofre menos danos, pois há controle mais eficaz de pragas. Para que esse benefício se mantenha, a principal recomendação em todos os países em que a cultura Bt tem sido cultivada é a adoção do refúgio agrícola. A prática tem objetivo retardar ou até mesmo prevenir o crescimento da população de pragas resistentes à tecnologia.

O manejo adequado das principais pragas-alvo garante a sustentabilidade da produção, eficiência e produtividade do algodão Bt, contribui para a racionalização do uso de inseticidas e garante também a rentabilidade do agricultor. O manejo inadequado pode favorecer o desenvolvimento de pragas resistentes.

Refúgio agrícola é a plantação de uma porcentagem de algodão convencional entre as áreas de algodão Bt. Do mesmo modo que existem insetos suscetíveis à proteína Bt, existe uma minoria que é naturalmente resistente a ela. Então, se o produtor escolher plantar apenas sementes Bt, pode ser que inicialmente os insetos sejam completamente controlados, mas, em médio prazo, haverá uma seleção de indivíduos resistentes. Ou seja, em algumas safras, insetos que resistem à proteína Bt serão maioria e isso levará à perda da eficiência do algodão Bt.

 


SAIBA MAIS

Refúgio Agrícola: tudo o que você precisa saber para garantir a segurança da sua lavoura


Por isso a  adoção do refúgio agrícola é essencial, juntamente com as outras Boas Práticas recomendadas para a plantação das variedades Bt. O conjunto de técnicas garante a eficiência da tecnologia e o aumento de produtividade, sem colocar a lavoura em risco.

 

Benefícios do algodão Bt

O cultivo dessa  tecnologia oferece vantagens para os produtores. Conheça os principais benefícios do algodão Bt:

  • Eficiência no controle de pragas

O agricultor evita gastos desnecessários com inseticidas para o controle da lagarta-do-cartucho e outros insetos-praga. Isso traz vantagens econômicas para o produtor e economia de tempo, já que não será preciso fazer várias aplicações;

  • Economia de água e de combustível

Como o agricultor não precisará aplicar inseticidas com a mesma frequência, vai economizar água, uma vez que o produtor não vai precisar usá-la para diluir o produto químico a ser pulverizado. Além disso, menos aplicações significam redução do uso do trator na lavoura, minimizando, consequentemente, o uso de combustível. Isso também resulta em menos poluição do ar, de rios e do solo;

  • Mais segurança para o agricultor

A menor exposição do trabalhador aos inseticidas impacta positivamente em sua saúde. Estudos revelam que a maioria das intoxicações por defensivos agrícolas se dá por exposição direta, e não pelo consumo de alimentos que, eventualmente, podem conter resíduos.

 

Outras culturas Bt

No Brasil, além do algodão, soja, milho e cana contam com a tecnologia Bt para ajudar no combate às pragas e, consequentemente, manter ou aumentar  a produtividade da lavoura. As folhas das culturas nas quais essa inovação está presente expressam uma proteína inseticida. Quando ingeridas pelo inseto-alvo, essas proteínas se ligam à parede do seu intestino causando danos ao sistema digestivo e levando à morte.

história da cultura bt